Projeto Sempre Viva e o Parque Municipal de Mucugê

1

O Projeto Sempre Viva é uma organização localizada em Mucugê, na Bahia, que visa preservar uma planta que fora muito extraída da maneira predatória na Chapada Diamantina: a Sempre Viva.

Sempre Viva encontrada em diversos lugares da Chapada Diamantina
Sempre Viva encontrada em diversos lugares da Chapada Diamantina

Com o fim do ciclo da exploração da Sempre Viva, a economia local voltou-se para o ecoturismo no início do Século XXI, e o Projeto Sempre Viva, junto com o Parque Municipal de Mucugê, onde o projeto está localizado, é um dos braços do município Mucugê nesse trabalho de apresentar o turismo sustentável da natureza local.

Não se esqueça de conferir, no final do post, os links para as atrações da Chapada Diamantina que fomos conhecer, e que agora divulgamos para você.

Conhecendo o Projeto Sempre Viva | Chapada Diamantina

Ao chegarmos no Projeto Sempre Viva, uma condutora veio nos receber e nos explicou sobre os atrativos do local.

Portaria de entrada do Projeto Sempre Viva, em Mucugê, na Chapada Diamantina
Portaria de entrada do Projeto Sempre Viva, em Mucugê, na Chapada Diamantina

O início do passeio é dentro de uma casinha de pedras, onde nos é explicado qual a importância dessa planta chamada Sempre Viva. E olha que é muito interessante! Você provavelmente já teve contato com ela e não sabia.

A Sempre Viva é usada tradicionalmente nos buquês de flores das noivas, além de também ornar embalagens de presentes e ambientes como sua própria casa. Veja só: cheguei na casa da minha irmã depois da minha ida à Chapada Diamantina e adivinhe o que tinha em cima da mesa dela ornamentando sua sala? Sim, um buquê de Sempre Vivas coloridas.

Monitora do Projeto Sempre Viva apresentando as informações do projeto
Monitora do Projeto Sempre Viva apresentando as informações do projeto

E existe um porquê dessa planta ser tão utilizada: ao ser retirada do solo, a sua aparência se mantém, não chegando a apodrecer, estragar, aparentar velha ou algo do tipo. Além disso, ela reage às condições climáticas do local onde está, abrindo ou fechando dependendo da temperatura e da umidade, por longos 60 anos após sua retirada!

Ou seja, ela se mantém “sempre viva”! (Ahn? Ahn? Sacaram o porquê do nome? :P)

Tanto que os buquês das noivas foram muito passados de geração em geração, dada sua intocável aparência. Uma lenda também se propagava de que o casamento duraria enquanto o buquê durasse (e, convenhamos, 60 anos de casamento é um tempo razoável, não acham?) :).

Buquê de Sempre Vivas doadas pelo Ibama para o Projeto Sempre Viva
Buquê de Sempre Vivas doadas pelo Ibama para o Projeto Sempre Viva

Tudo isso é explicado pela condutora do projeto. Ela também nos disse que a Sempre Viva não é somente uma planta, mas sim centenas de espécies de plantas, sendo que existem aproximadamente 1200 espécies no mundo, 800 no Brasil e 400 só na Bahia.

Há também uma espécie de Sempre Viva que cresce somente no município de Mucugê, ou seja, ela é endêmica de lá!

A importância do projeto é então ressaltada com a visita ao laboratório, onde podemos observar os polinizadores naturais dessas plantas, os trabalhos de pesquisa científica realizados para implementação e manutenção do ecoturismo em Mucugê e da preservação da Sempre Viva e vários pôsteres resultantes desses trabalhos.

Laboratório do Projeto Sempre Viva
Laboratório do Projeto Sempre Viva

O Projeto Sempre Viva se compromete então com a preservação dessa planta que fora retirada de maneira predatória, ficando assim cada vez mais comprometida ao longo dos anos, inclusive com exportações para os EUA, a Europa e o Japão. Ele também apoia projetos de pesquisa das universidades para manter o comércio sustentável da planta.

Centro de Visitantes do Projeto Sempre Viva, em Mucugê
Centro de Visitantes do Projeto Sempre Viva, em Mucugê

Nos caminhamos em seguida para o Centro de Visitantes, passando por algumas colmeias com abelhas sem ferrão, que são mantidas para a polinização.

Abelhas do Projeto Sempre Viva, em Mucugê
Abelhas do Projeto Sempre Viva, em Mucugê

A arquitetura do Centro de Visitantes, assim como das demais instalações do Projeto Sempre Viva, é inspirada nas antigas casas dos garimpeiros. As rochas de quartzito rosa que já existiam naturalmente no local foram mantidas e integradas à infraestrutura das construções, formando mesas e paredes, por exemplo.

Centro de Visitantes do Projeto Sempre Viva, em Mucugê
Centro de Visitantes do Projeto Sempre Viva, em Mucugê

Lá no Centro de Visitantes do Projeto Sempre Viva são vistos vários buquês e ornamentos de Sempre Viva, estes apreendidos e doados pelo Ibama ao projeto.

Também são vistos vários painéis contando um pouco da história da exploração do diamante no mundo, no Brasil e na Chapada Diamantina, em especial em Mucugê. A economia da Chapada ficou voltada para o diamante entre 1844 e aproximadamente a década de 1960, quando houve um forte declínio dessa exploração, entrando o comércio das Sempre Vivas no lugar.

Ferramentas utilizadas por garimpeiros expostas no Projeto Sempre Viva, em Mucugê
Ferramentas utilizadas por garimpeiros expostas no Projeto Sempre Viva, em Mucugê

O Centro de Visitantes também expõe ferramentas utilizadas na época do garimpo e possui também uma lojinha de produtos locais, como cafés, artesanatos, biscoitos, cachaças e mel.

Loja com produtos locais no Projeto Sempre Viva
Loja com produtos locais no Projeto Sempre Viva

A infraestrutura do Projeto Sempre Viva conta ainda com estação climatológica, alojamento para pesquisadores, sítios arqueológicos de garimpo e trilhas para cachoeiras próximas.

As cachoeiras do Parque Municipal de Mucugê

O Projeto Sempre Viva está localizado dentro do Parque Municipal de Mucugê, e a partir do projeto se tem acesso a duas das principais cachoeiras do parque.

A Cachoeira da Piabinha fica bem ao lado do Centro de Visitantes, a apenas 3 minutos de caminhada. Do alto do projeto temos uma vista da região.

Vista do Projeto Sempre Viva, em Mucugê, na Chapada Diamantina
Vista do Projeto Sempre Viva, em Mucugê, na Chapada Diamantina

Descendo para o rio, encontramos outra atração do Projeto Sempre Viva, que é uma antiga instalação de garimpeiros.

Antiga casa utilizada por garimpeiros ao lado do Projeto Sempre Viva, em Mucugê
Antiga casa utilizada por garimpeiros ao lado do Projeto Sempre Viva, em Mucugê

No rio, avistamos a Cachoeira da Piabinha, mas infelizmente ela estava bem seca durante a nossa visita, com o nível de água baixo – é comum o nível da água variar ao longo do ano.

Cachoeira da Piabinha, ao lado do Projeto Sempre Viva, em Mucugê
Cachoeira da Piabinha, ao lado do Projeto Sempre Viva, em Mucugê

Ao menos foi uma boa descer até lá, pois tivemos uma vista bem bonita da região.

Cachoeira da Piabinha, ao lado do Projeto Sempre Viva, em Mucugê
Cachoeira da Piabinha, ao lado do Projeto Sempre Viva, em Mucugê

Atravessando para a outra margem, encontramos a trilha que leva para outra cachoeira do Parque Municipal de Mucugê, a Cachoeira do Tiburtino.

Ela está a uns 25 minutos de caminhada, de acordo com uma placa no local, mas não tínhamos tempo na nossa programação para visitá-la. Fica para uma próxima!

Início da trilha para a Cachoeira do Tiburtino, em Mucugê
Início da trilha para a Cachoeira do Tiburtino, em Mucugê

Além dessas, o parque conta ainda com outras três principais cachoeiras: a Cachoeira das Andorinhas, a Cachoeira dos Funis e a Cachoeira Sete Quedas. Você pode conferir fotos e mais informações sobre como visitá-las no site do Guia Mucugê, que apresenta diversas outras atrações da região.

Mais informações sobre o Projeto Sempre Viva | Chapada Diamantina

O Projeto Sempre Viva tem o valor de entrada de R$ 20 (preço em 2017), o que contempla a apresentação do projeto por um condutor, o passeio no Centro de Visitantes e o acesso às cachoeiras Piabinha e do Tiburtino por uma trilha.

A visitação ocorre todos os dias, das 8:30 às 17:30 h e a apresentação feita pelos condutores leva menos de 1 h. O resto do tempo é por sua conta para curtir as cachoeiras próximas.

Entrada para o Centro de Visitantes do Projeto Sempre Viva, em Mucugê
Entrada para o Centro de Visitantes do Projeto Sempre Viva, em Mucugê

O endereço do projeto é a rodovia BA-142, Km 96, a menos de 4 Km de Mucugê. Confira no mapa a seguir.

Para maiores informações sobre o Projeto Sempre Viva, entre em contato com eles pelo telefone (75) 3338-2156.

Conhecendo a Chapada Diamantina

Fizemos uma volta completa na Chapada Diamantina em 2017. Saímos de carro de Vitória, pegamos a Rio-Bahia (BR-116) e dormirmos em Vitória da Conquista.

No dia seguinte, pela manhã, já começamos a nossa aventura pela Chapada em grande estilo! Foram 15 dias de um passeio fantástico, marcante, inesquecível, e mais quantos adjetivos enaltecedores você quiser acrescentar!

Acompanhe nossos posts sobre as diversas atrações que vistamos, onde apresentamos com detalhes como chegar, os valores envolvidos, muitas fotos e a experiência de conhecer essa grande atração brasileira.